Instituto Memória - Centro de Estudos da Contemporaneidade Instituto Memória - 15 anos Instituto Memória - Televendas - 41.3016 9042
 

PESQUISA
Pesquisa por Título ou Autor/Colaborador:

Texto da Pesquisa:


clique na capa para ampliar

ESGOTADO - LENDAS CURITIBANAS

Autor: Luciana do Rocio Mallon
Páginas: 98 pgs.
Ano da Publicação: 2013
Editora: Instituto Memória
Preço: R$ 30,00

SINOPSE

POR QUE ESCREVO LENDAS URBANAS DO PARANÁ?

O dicionário define lenda como mitos e causos que são contados de geração em geração. Mas, na realidade, o significado desta palavra vai além desta mera definição. Eu me interesso por lendas urbanas desde os seis anos de idade, pois minha família tem o costume de contá-las para as crianças. Aos onze anos descobri uma espécie de porão que havia na casa da minha avó materna e um dia entrei às escondidas lá, descobrindo que meu falecido bisavô Torres estudava os mitos da cidade de Curitiba.

Em 2002, com medo de que estas histórias ficassem restritas somente à minha família, resolvi disponibilizá-las na Internet, ao mesmo tempo em que eu caçava outros causos.

Muitas pessoas perguntam o porquê de correr atrás das lendas urbanas do Paraná. Então, eu respondo assim: há vários motivos para pesquisar, afinal todo causo possui uma base histórica.

 

Resgatar lendas é uma maneira de estudar a História do lugar e passá-la de geração em geração, de uma forma divertida e não monótona, diferente do como muitas vezes acontece dentro de uma sala de aula.

Outro fator que me leva a pesquisar as lendas urbanas do Paraná é que estas histórias possuem o dom de elevar a autoestima das pessoas.

Infelizmente o Paraná é o único estado do Sul do Brasil que ficou sem símbolo definido. Afinal o Rio Grande do Sul tem como representante o homem com típicas roupas de gaúcho e Santa Catarina tem como símbolo o casal vestido com roupas alemãs. E o Paraná? O que tem como símbolo? Seria a araucária? Seria a Gralha Azul? Ora, conforme vamos resgatando as suas lendas é que poderemos chegar ao seu símbolo ideal. 

Antigamente as pessoas de uma determinada região possuíam uma autoestima elevada, pois, naquela época, havia o costume das pessoas se reunirem em torno de uma fogueira para escutarem os velhos mestres que contava lendas e causos. Infelizmente, pouco a pouco, perdemos esta tradição perdeu e é preciso resgatá-la de alguma maneira. 

Através deste livro é possível concluir que as lendas urbanas são pistas históricas importantes para o estudo de uma região e seu povo.

Para elaborar os textos, vou atrás de qualquer indício, sempre buscando harmonizar as tradições orais, informais, com as fontes históricas. Foram centenas de depoimentos, especialmente dos idosos.

 Luciana do Rocio Mallon 

50

LENDAS DO POÇO DO CEMITÉRIO DE SANTA CÂNDIDA

54

LENDA DO BAIRRO BARIGÜI

57

LENDA DA LEITEIRA DO JARDIM CENTAURO

60

LENDA DA SANTINHA DA RUA DA CAVEIRA E O MANÍACO DA BICICLETA

63

LENDAS DO BAIRRO JUVEVÊ

67

LENDA DA ESPANHOLA DO  BAIRRO CABRAL DE CURITIBA

71

LENDA DA LOIRA MALANDRA DO CEMITÉRIO DO ABRANCHES 

73

LENDA DO ARTISTA MACABRO DE CURITIBA

78

LENDA DO PRÍNCIPE DO QUADRO E A MUSA DOS SONHOS

84

LENDA DO CAIXÃO DO TIO DE VIVI